Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2018
Trade
Aeroportos de Cabo Verde transferem as suas aplicações para a nuvem para reduzir a complexidade de TI e melhorar a experiência do passageiro
Imagem do Artigo: Aeroportos de Cabo Verde transferem as suas aplicações para a nuvem para reduzir a complexidade de TI e melhorar a experiência do passageiro

Simplificar a infra-estrutura aeroportuária para receber novos passageiros internacionais e domésticos é fundamental para o crescimento de turismo, um dos principais pilares econômicos de Cabo Verde, país que realizou um forte crescimento de 7,1% no número de passageiros internacionais em 2015 e é constituído por um arquipélago de 10 ilhas.

 

ASA, o proprietário de sete aeroportos em Cabo Verde e o prestador de serviços de assistência em escala, Cabo Verde Handling, vai implementar Amadeus Airport Common Use Service (ACUS) (ACUS) e Altéa Departure Control (DC) em quatro aeroportos internacionais para fornecer ao passageiro uma experiência mais eficiente e simplificar a conectividade de controle de partidas para os seus clientes.

 

Os aeroportos pretendem usar a tecnologia de virtualização de aplicativos, permitindo que os sistemas de processamento de passageiros sejam acessíveis e implantados em qualquer lugar, sob procura. Isso significa que as companhias aéreas e o prestador de serviços de assistência em escala podem usar a plataforma a partir de um desktop ou laptop, permitido ao passageiro fazer check-in e imprimir cartões de embarque a partir de qualquer local e resultando numa maior flexibilidade operacional.

 

As companhias aéreas também serão beneficiadas com o modelo simplificado de conectividade de rede que facilita a abertura de novas rotas, reduzindo substancialmente o tempo necessário para implementar as suas aplicações em aeroportos.

 

Com a solução ACUS, apenas uma conexão única é necessária entre o Sistema de Controle de Partidas (DCS) e a plataforma ACUS alojada na nuvem, o que significa que as companhias aéreas conectam-se à base de dados da Amadeus, em vez da do aeroporto local. Em seguida, a Amadeus liga o DCS da companhia aérea aos aeroportos necessários, permitindo que companhias aéreas nacionais e internacionais operem voos regulais, sazonais ou charter para qualquer aeroporto em Cabo Verde e eliminandotarifas aeroportuárias de rede e implementação.

 

“Ao longo do último ano, temos visto um crescimento enorme do turismo em Cabo Verde, tornando o pais um destino popular alternativo para o Norte de África e Médio Oriente,” comenta Sandro de Brito, CEO da ASA. “Esta parceria com a Amadeus nos permite escalar as nossas operações para aumentar a capacidade e a produtividade dos nossos aeroportos da forma mais eficiente e rentável, não só para dar resposta à procura de hoje, mas também para nos posicionar e beneficiar das possibilidades de crescimento futuro.”

 

A ASA vai ultrapassar os desafios tecnológicos que muitos aeroportos enfrentam quando tentam expandir-se. Num ambiente onde se usa um modelo tradicional e dispendioso de plataforma comunitária, o DCS de cada companhia aérea é implementado fisicamente em cada balcão de check-in, limitando o número de companhias aéreas que podem ser executadas de forma eficaz. Os aeroportos que permanecem neste ambiente não são limitados apenas pelo número de companhias aéreas em cada balcão decheck-in, mas também pelo espaço físico no terminal para essas estações de trabalho e os servidores enormes necessários para alojar cada rede aérea.

 

Para crescer, os aeroportos precisam investir num ambiente de utilização comum, onde os DCSs de todas as companhias aéreas estão alojados num servidor central. A ASA vai além disso com a solução ACUS da Amadeus e migra diretamente para uma plataforma comunitária alojada na nuvem .

 

“Vemos a nuvem como uma evolução natural para a ASA e outros aeroportos que operam num ambiente de uso dedicado. A redução de custos operacionais e a utilização mais eficiente da infraestrutura irá prepará-los para o crescimento futuro,” comenta John Jarrell, Head of Airport IT Amadeus. “Estamos muito satisfeitos por trabalhar com a ASA e por ver como todas as suas partes interessadas – aeroportos, companhias aéreas, prestadores de serviços de assistência em escala – irão beneficiar das vantagens dramáticas do ACUS.”

 

Para mais informações sobre o ACUS e os benefícios que a tecnologia alojada na nuvem trazem, por favor faça o download do novo relatório escrito (escrito ou comissionado?) por Amadeus TI de Aeroporto (ver comentário acima): 8 perguntas difíceis que você deve perguntar ao seu atual provedor CUTE / CUPPS.

Compartilhe:

Apoiadores
©2018 Rent My Brain
Desenvolvido por SIXSIDED