Sábado, 17 de Fevereiro de 2018
Artigos
Construa que eles virão
Imagem do Artigo: Construa que eles virão

Acabo de voltar dos EUA, onde estive a convite da Disney World Resorts e a empresa de logística Pegasus. Foi uma visita técnica ao complexo Disney, que compreendeu, além dos bastidores de parques e hotéis, apresentações da DEG (Disney Events Group) e do Disney Institute. A viagem foi organizada pela Ideas4Brand, da Maria Camilla Alcorta, e contou também com o apoio da Covia e da IT MICE, do Ibrahim Tahtouh, e da Copa Airlines, que foi a transportadora oficial do grupo. Não foi uma viagem de lazer, mas nossos anfitriões não deixaram escapar uma oportunidade de nos encantar com atividades especiais. Afinal, estamos na terra do encantamento. Nós fomos convidados para enxergar o lado business do complexo: as múltiplas oportunidades que Disney oferece para encantar também adultos em eventos e atividades especiais. Eu já havia estado duas vezes no complexo, mas nunca com esse olhar de business. Fiquei surpreso, por exemplo, em saber que há mais de 20 hoteis operados e administrados pela Disney no complexo e que há 5 convention centers junto a alguns desses hotéis. E tudo é superlativo por lá. Há salões onde é possível acomodar 6.500 pessoas (!). São empregadas mais de 75.000 pessoas em todo o complexo. Aliás Disney Resorts é o maior empregador individual dos EUA. Quando Walt Disney teve o sonho de construir seu grande parque fora de Hollywood (Disneyland foi inaugurada antes), ele procurou um lugar onde encontrasse terra abundante e barata. As terras pantanosas de Orlando eram uma opção que atendia a esses requisitos. E ali, em outubro de 1971, nasceu o complexo, plantado em mais de 574 quilômetros quadrados. Não preciso dizer o tamanho do sucesso. Os parques batem recordes atrás de recordes de visitantes, que ultrapassaram o número de 50 milhões no último ano. A cidade de Orlando, que tem pouco mais de 300.000 habitantes, recebe nada menos do que 66 milhões de visitantes por ano. Só para você ter uma ideia, o Brasil inteiro recebe perto de 6 milhões. Dez vezes menos! Não é à toa que Orlando é uma cidade constantemente em obras. Ampliações e novos parques estão sendo construídos. O imenso vulcão do Vulcano Bay já pode ser visto das largas avenidas da cidade. E a Disney prepara o seu mais novo lançamento, que deve ser mais um grande sucesso. Trata-se do Pandora, um parque sob o tema do filme Avatar, uma das maiores bilheterias do cinema. E atrás desses novos empreendimentos vêm o crescimento e a prosperidade da cidade, que é ágil em desenvolver a estrutura necessária para abrigá-los. Fazer uma viagem dessa e constatar tanta prosperidade nos deixa com uma ponta de inveja. É claro que não é fácil replicar um sucesso dessa magnitude, mas porque o Brasil não tem um parque da Amazônia, por exemplo? Por que a Festa do Peão do Boiadeiro, de Barretos, não se transforma em um parque permanente, tematizado na rica cultura country? Temos alguns exemplos isolados no Brasil. O Beto Carrero World é bastante elogiado, o Beach Park idem. Mas é muito pouco para um país tão rico em cultura e belezas naturais. A sensação que tenho é que faltam empreendedores corajosos. O fracasso do Hopi Hari e do Wet ‘n Wild brasileiros deve assustar alguns. Mas o potencial está aí. Somos o maior país da região sul das Américas. Por que não conseguimos emplacar parques temáticos? Eventos como o Carnaval, as festas juninas e mesmo a Festa do Peão de Boiadeiro atraem milhões, mas são pontuais. Temos também Rock in Rio, que se transformou num sucesso que extrapola nosso país, mas que também tem começo, meio e fim. Fica então o recado para nossos empreendedores. Crie, construa e faça um bom marketing que os visitantes virão! Há grupos internacionais ávidos por investimento em entretenimento. Então o que falta é um bom projeto e a coragem de empreender. Potencial existe!

Alexis Thuller Pagliarini

Diretor Superintendente da Fenapro

Past President MPI

Colunista do PROPMARK

Compartilhe:

Apoiadores
©2018 Rent My Brain
Desenvolvido por SIXSIDED