Quarta-feira, 18 de Julho de 2018
Artigos
O vinho em Portugal
Imagem do Artigo: O vinho em Portugal

* Por Ricardo Ferreira

Portugal possui geograficamente uma posição privilegiada na Península Ibérica, junto ao Oceano Atlântico, que determinou o seu pendor lançando-o, no século XV, na grande descoberta marítima.

Em 1143, D. Afonso Henriques, (primeiro rei português) fundou Portugal, que manteve definitivamente as suas fronteiras durante o século seguinte, constituindo-se assim num dos países mais antigos da atualidade. Esta circunstância e conjuntura colaboraram para a intensa identidade cultural e para a coesão e união interna.

O território português possui uma área de 92,212 km², com uma população de 10,32 milhões, faz fronteira a norte e leste com a Espanha e a sul e oeste delimitado pelo oceano Atlântico. País pequeno, rico na variedade da paisagem, tem uma herança histórica e cultural muito valiosa, possui uma deliciosa e maravilhosa gastronomia. Suas praias são conhecidas, as suas serras e planícies magníficas para descansar com ótimas acomodações. A paisagem está cheia de igrejas, catedrais, palácios, solares, casas senhoriais e castelos medievais, que são a representação de uma longa e preciosa história. Povo hospitaleiro que sabe receber quem o visita.

O que atrai e convida também é o clima. Em Portugal continental o clima muda significativamente de região para região por ser influenciado pelo relevo ou pela proximidade do mar. De uma forma geral é ameno e a presença do sol é significativa e constante, principalmente no Algarve, Alentejo e Estremadura (onde fica a capital Lisboa). Na região dos Açores a precipitação é maior, mas o clima é agradável, e a Madeira apresenta um clima quase tropical.

A memória coletiva faz parte do nosso passado e sem passado não existe identidade.

Apesar de estar envolvida em dúvidas e alguns mitos, julga-se que a vinha terá sido cultivada pela primeira vez no vale do Tejo e no Sado, em cerca de 2000 a.C, pelo povo Tartesso, que habitava aquela região.

Por volta do século X a.C, os Fenícios apoderaram-se do comércio dos Tartessos, incluindo o vinho. Calcula-se que tenham trazido algumas castas de videiras que introduziram na antiga Lusitânia.

Os Gregos vieram no século VII a.C para a Península Ibérica e desenvolveram a viticultura, dando uma especial e importante atenção à arte de fazer vinho. Acredita-se que no século VI a.C, os Celtas, a quem a videira já era familiar, supostamente trouxeram para a Península algumas variedades de videira que cultivavam. Pensa-se que tenham trazido igualmente as técnicas de tanoaria na fabricação de pipas e tonéis.

Com a fusão dos Celtas e dos Iberos num só povo, dá origem aos Celtiberos, ascendentes dos Lusitanos, povo que se afirma no século IV a.C. A expansão aguerrida e bélica de Roma na Península Ibérica impeliu aos primeiros contatos com os Lusitanos, por volta de 194 a.C. Foram longos anos de lutas, só vencidas pelos Romanos dois séculos depois, com a tomada de toda a Península em 15 a.C, conseguindo finalmente submeter e dominar os Lusitanos.

A conquista da Península pelos romanos ajudou e muito a modernização da cultura da vinha, com a introdução de novas variedades e com o aprimoramento de certas técnicas de cultivo, nomeadamente a poda. A cultura da vinha teve um crescimento considerável, nesse tempo, em virtude da necessidade de se enviar comumente vinho para Roma, onde o consumo crescia e a produção própria não atendia a procura. Vieram as invasões bárbaras e com isso o declínio do Império Romano, a Lusitânia foi disputada aos Romanos pelos povos Suevos e Visigodos que os venceram no ano 585 d.C, tendo acontecido, com o decorrer do tempo, a fusão de raças e de culturas, deixando o paganismo e adotando o Cristianismo.

A grande expansão do Cristianismo acontece nos séculos VI e VII, não obstante já ser conhecido na Península Ibérica desde o século II. O vinho torna-se então imprescindível e obrigatório para o ato respeitado e venerado da comunhão. Os documentos canônicos do período comprovam a obrigatoriedade da utilização do vinho puro da videira na celebração da missa, produto designado por não adulterado, ao qual tivesse sido apenas juntada uma pequena porção de água. No começo do século VIII outros invasores se seguiram, agora vindos do Sul. Com os árabes iniciava-se um novo período para a vitivinicultura Ibérica. A religião muçulmana proibia o consumo de bebidas fermentadas, em que o vinho estava incluído. No entanto, mostraram-se complacentes e condescendentes para com os cristãos, aplicando-se aos agricultores uma política baseada na benevolência e proteção, desde que os mesmos se entregassem aos trabalhos rurais, para deles tirar o melhor rendimento.

Documentos corroboram e demonstram a importância da vinha e do vinho no território português, antes do nascimento da nacionalidade. O vinho é o principal produto exportado nos séculos XII e XIII. Com o inicio da reconquista cristã, as lutas acontecem por todo o território e as permanentes ações de guerra destruíam as culturas e as vinhas.

A criação de Portugal, em 1143, pelo Rei D. Afonso Henriques, e a reconquista da totalidade do território português aos mouros, em 1249, possibilitaram a instalação das ordens religiosas, militares e monásticas, com especial ênfase para os Santiago da Espada, Templários e Cister, que povoaram e plantaram imensas regiões, tornando-se funcionais núcleos de colonização agrícola, ampliando, deste modo, as áreas de cultivo da vinha. O vinho passou, nesse momento, a fazer parte da dieta do homem medieval e ter algum significado nos ganhos e proveitos dos senhores feudais da época.

Os vinhos produzidos em Portugal tornaram-se conhecidos até no norte da Europa. Efetivamente foi na segunda metade do século XIV que a produção de vinho encetou um grande desenvolvimento, recuperando-se e aumentando-se a sua exportação. No período da expansão portuguesa, séculos XV e XVI, as naus e os galeões que partiam em direção à Índia, transportavam, entre outros produtos, o vinho.

Não podemos esquecer os vinhos de roda ou de torna viagem. Analisando o tempo que demoravam as viagens, quase sempre, em média de seis longos meses em que os vinhos se mantinham nas barricas, espalhadas pelos porões das naus, sacudidas pelo balancear das ondas ou expostos ao sol. E o vinho ficava melhor!

O envelhecimento delicado e ameno era harmonizado pelo calor dos porões ao passarem, pelo menos duas vezes, o Equador e pela manutenção do vinho nos tonéis, tornando-os únicos, magníficos e, como tal, vendidos a preços genuinamente fabulosos. O vinho de roda ou de torna viagem veio desta maneira facilitar o conhecimento baseado na experiência de um tipo de envelhecimento, cujas técnicas científicas se viriam a desenvolver a posterior.

Lisboa em meados do século XVI era o maior polo de consumo e distribuição de vinho do império – a expansão marítima portuguesa conduzia este produto aos quatro cantos do planeta.

Portugal e a Inglaterra assinaram um tratado em 1703 (Methwen), onde as permutas comerciais entre os dois países foram regulamentadas. Estabeleceu-se um regime especial para a entrada de vinhos portugueses na Inglaterra. A exportação de vinho incrementou-se a partir desta data. No século XVIII, a vitivinicultura, bem como outros enfoques em Portugal, sofreram a mão e o controle da intensa presença do Marquês de Pombal. Por isso, a região do Alto Douro e do famoso Vinho do Porto beneficiou-se de uma série de medidas protecionistas.

Foi criado pelo Marquês de Pombal, em 10 de setembro de 1756, a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, para disciplinar a produção e o comércio dos vinhos da região, e procedeu-se a demarcação da região. A região do Douro é a primeira região demarcada oficialmente no mundo.

No inicio do século XX procedeu-se a regulamentação oficial de várias outras denominações de origem portuguesa. Para além da região produtora de Vinho do Porto e dos vinhos de mesa Douro, demarcaram-se as regiões de produção de alguns vinhos, Moscatel de Setúbal, Carcavelos, Dão Colares, vinhos da Madeira e Vinho Verde.

Anos depois, e com a nova perspectiva na economia portuguesa (adesão de Portugal à comunidade europeia) e, por conseguinte, na viticultura, o conceito de denominação de origem foi sintonizado com a legislação europeia e comunitária, e foi criada a classificação de Vinho Regional para os vinhos de mesa com indicação geográfica, reforçando-se a política da qualidade e característica única dos vinhos portugueses.

Hoje em dia estão reconhecidas e defendidas, na totalidade do território de Portugal, 33 Denominações de Origem e oito Indicações Geográficas.

* Ricardo Ferreira é escritor, consultor empresarial, palestrante e proprietário da casa de vinhos Portuguesa Maluca, em Salvador. Nascido em Angola e criado em Portugal, mora desde 1994 em Salvador, Bahia. É autor da trilogia literária “O Grande Banquete” (composta pelos livros “A Transformação e o Templo”, “Viagens à Nossa Volta” e “Eles e Elas e os Risos do Fado”). Defensor da lusofonia, atua com o intuito de estreitar, a nível comercial, cultural e social, os laços entre Angola, Portugal e Brasil.

Foto de Fabio Peixoto

Compartilhe:

Apoiadores
©2018 Rent My Brain
Desenvolvido por SIXSIDED